Entrevista completa de Robert Pattinson para revista Details

Traduzido/Publicado por Bruna em 13 Feb 2010


Na qual Robert Pattinson angustia sobre a sua ótima sorte, lamenta o passar do pornô dos anos 80, sonha em ser apalpado por uma garota elefante – de novo – e nos deixa imaginando como um intensamente sério cara de 23 anos que é incapaz de encontrar seu caminho pela sua cidade natal pode possivelmente navegar pelo labirinto do estrelato.

Entrevista por Jenny Lumet

Café

É o frio de novembro de 2008 quando eu vou para o Hotel Bowery de Nova York. Há um jovem sentado no jardim, envolto em cerca de nove blusas pretas e usando um chapéu de lã, fumando cigarros, tomando um latte do tamanho da sua cabeça, e fazendo notas furiosamente em um roteiro no frio amargo. Eu tenho lido a respeito de garotas adolescentes se aquecendo com fogo na frente do hotel dele, mas no momento é Robert Pattinson quem está aquecendo as suas mãos em um copo de café.

- Olá, eu sou Jenny. Eu acho que já que estou aqui você pode me observar.
- Certo. Eu sou Rob. Ummm… gostaria de algumas fritas? Com molho?

Allen Coulter, o diretor de Hollywoodland e uma força criativa nos bastidores de The Sopranos, me enviou. Ele estava pensando em fazer esse filme – não era bem aqui antes, mas eu deveria vir “me encontrar com o Rob”.

Rob. Quando ele veio para os Estados Unidos, ele dormiu no sofá de sua agente e depois conseguiu um papel pequeno em um filme chamado Harry Potter e Alguma coisa de Alguma coisa, que arrecadou cerca de US$900 milhões pelo mundo. E então, ele fez outro, chamado Crepúsculo, que arrecadou US$ 385 milhões nos cinemas e quase outros US% 200 milhões nas vendas do DVD nos EUA. Riquezas de bilheterias como muitas da população feminina nesse planeta, o seguem de continente a continente, amamentando uma paixão furiosa.

Coulter sugeriu que eu fizesse um trabalho de reescrita de Remember Me (para constar, existe apenas um escritor creditado, Will Fetters), a primeira estreia americana no qual Rob irá interpretar um mortal, não- mágico, com forma de vida baseada em carbono da esfera terrestre – Salvador Dali, quem ele fez em Little Ashes, com certeza não se qualifica.

Enquanto Rob rabisca as páginas do roteiro, está claro que ele está começando o seu próprio processo de revisão. O rosto de Rob está constantemente ocupado – especialmente os seus olhos caleidoscópicos, que estão continuamente rolando e dilatando, porque ele está sempre pensando.

Durante o curso daquele latte, ele contempla Jimi Hendrix, batatas fritas, garotas, arte, cerveja, o seu primo filósofo, garotas, a verdade, Deus, o seu cachorro, garotas se essas perseguidoras da semana o seguiram de Los Angeles. Eu não acho que ele possa desligar seu cérebro se o quiser. Apesar da legião de fãs o rastreando de hotel para hotel, cercando cada um como o exército romano, ele não é nem medroso ou arrogante – ele é ávido, curioso, sempre alcançando intelectualmente. Isso pode não soar como uma grande coisa, mas pense no contexto:

completos estranhos querem fuder com você, se lançar em você, ser sua, comprar você, vender você, passar seus dedos pelos seus cabelos, assistir você fazendo sexo, ouvir você fazendo xixi, comer batatas fritas com você, e te seqüestrar e te jogar no porta-malas do seu carro. E você? Você deve saber mais, mais e mais sobre desejos tropicais exóticos.

Rob e eu descobrimos que compartilhamos uma fascinação mútua com aflições que te aleijam, te desfiguram e desagradam: ele traz à tona Cancrum Oris (ulceração da boca), na qual uma bactéria come o seu rosto até que você tenha uma espécie de janela em um lado de sua cabeça e o mundo todo vê os seus dentes; eu menciono a síndrome de vômito cíclico, uma condição na qual você vomita literalmente durante toda a droga de tempo; ele se deleita com a filariose linfática, onde parasitas adentram em seus nódulos linfáticos e podem faze as suas bolas incharem para o tamanho de melancias, forçando você a transportá-las em um carrinho de mão.

Nós chegamos a falar sobre um filme blockbuster, intitulado “Candiru Infestation,” sobre um peixinho que nada pela sua uretra e entra no seu sistema urinário e pousa no seu pênis com um guarda-chuva e dispara para a sua coluna vertebral. “Brilhante! Poderia ser como Procurando Nemo!”diz Rob. “E o pequeno candiru está perdido nos testículos! Pense na trilha-sonora!”

Cerveja nº1

Quatorze meses depois, nós estamos em Londres. Lua Nova, o segundo filme da Saga Crepúsculo bateu os recordes da maior estreia à meia- noite e do dia de estreia. Remember Me, o drama do jovem-Rob-em- crise, foi finalizado. Ele tem 24 horas antes de começar suas pesquisas para Bel Ami, baseado no romance de Guy de Maupassant, no qual ele interpreta um alpinista social que pula de cama em cama.

Ele está esperando para me pegar no bar do meu hotel. Ele pediu para si mesmo uma cerveja e, lembrando-se da minha bebida de escola, uma Coca Diet para mim. Ele tem as maneiras encantadoras do bom filho de uma boa mãe. Ele diz que quer me levar a um restaurante particular ali perto, “apenas um pouco fora do caminho.” Então fora do caminho, vem à tona que após vagarmos próximo ao Covent Garden, nós não conseguíamos encontrá-lo. Ele não parecia estar surpreso, de verdade.

Ultimamente ele vem se perdendo bastante em sua cidade natal. Mas então faz alguns anos desde que ele morou aqui, e Londres é confuso como o inferno de qualquer maneira. Considerando as alternativas, nós espreitamos um café lotado de pessoas jovens e bonitas, mas ele recuou. Alguns minutos depois, quando nós fomos até um pequeno lugar mexicano, os seus cabelos da nuca subiram um pouco. Hmmm. Eu o pergunto se a esse ponto ele é capaz de farejar as fãs loucas o espreitando embaixo das mesas.

“Sim, é claro. Mas da última vez em que eu estive aqui, a guacamole estava ruim.” Rob não fez nenhuma concessão indumentária ao inverno mais feio da Inglaterra em 30 anos. Roupas desabotoadas, jaqueta estilo Carhartt, sem luvas. Ele usa sim um gorro, talvez o mesmo que ele usou em Nova York. Eu estou embrulhada como o bonequinho do Michelin e ainda estou congelando. Ele está alegre, despreocupado, sorridente. Me ocorre que Londres parece lhe dar uma liberdade que ele não tem em Nova York ou Los Angeles.

E uma noite em Londres com ruas desertas, cheias de nece, após uma tempestade épica que paralisou Heathrow (aeroporto) e fechou os trens da Eurostar, é como uma traquinagem desenfreada, enquanto no comando. Sem tentar, nós chegamos de volta onde estávamos, em frente do Covent Garden Hotel.

Do outro lado da rua há uma loja de alta qualidade de brinquedos de sexo e cativeito chamada Coco de Mer. Eu menciono que eu apareci lá mais cedo (antes da Galeria Nacional, obrigada), e eu digo a ele sobre as armaduras corporais de Sadismo & Masoquismo que eles têm que te permitem se vestir como um cavalo e ter uma longa cauda.

“Isso é tão inglês. Eu quero fazer essa entrevista inteira o usando, de um ponto de vista equino,” ele diz, atravessando a calçada com passos firmes. “Sério. Como um experimento com percepções públicas. Esse lugar ainda está aberto?”

Cerveja nº2

Nós estamos do lado de dentro, em um canto quente do hotel Brasserie Max, e Rob está tomando outra cerveja. Nós estamos falando sobre como ele lida com as coisas.

Quando eu tinha 17 anos até, sei lá, 20, eu tinha essa confiança massiva, infundada. Essa ideia bastante clara de mim mesma e como eu iria alcançar o sucesso, o que envolvia tomar decisões. Eu me via pegando o telefone e dizendo “Com certeza, não” ou “Definitivamente sim.” Ter o controle.

Com exceção de que você tem que descobrir se o modo como você pensa aos 19 ou 20 anos tem algum valor. E eventualmente eu entendo, com todo esse controle, o qual era provavelmente ilusório, eu não estava progredindo. Então agora eu estou abandonando um pouco. Eu ficarei um pouco nu. Exceto essa noite, que eu não vou porque está congelando pra caralho e as minhas bolas irão encolher.”


Ele pode manter as suas bolas cobertas durante o inverno, mas Allen Coulter diz que durante as filmagens de Remember Me, Rob se despiu por conta própria: “Foi sobre controle, para ele, no começo. Mas ele queria mais movimento do que ele queria proteger a si mesmo. Muito corajoso – especialmente para um cara jovem com um grande peso em suas costas.”

Rob parece ansioso para perder algumas roupas, para desistir das rédeas. “Nós devemos ir sobre essas armaduras? Sério, você afinal percebe que não pode tomar cada decisão. Eu estava sempre construindo, sempre protegendo alguma coisa. Ao mesmo tempo, eu parei estar perdendo a habilidade de me mover. Eu me protegia em cheque-mate. Até mesmo mentalmente.”

Naquele momento, ele tem uma percepção: “Eu mal posso me lembrar dos dois últimos anos. Não como uma névoa de festa ou algo assim. Apenas... tem sido louco.”

Tem havido coisas surreais. Como naquela vez do evento de caridade em Cannes quando dois convidados ofertaram cerca de $60.000 dólares para que Rob desse um beijo na bochecha das filhas deles. Tem ocorrido coisas assustadoras, embora a ideia que ele possa estar em sério risco seja absurda para ele: “Eu acho bastante engraçada – se eu levasse um tiro, eu ficaria literalmente histérico. Eu ficaria tipo, Você está falando sério? Jesus Cristo, pegue Zac Efron! Ele tem mais relevância social do que eu.”

Ele tem bastante certeza que houve boas coisas também. “Houve essa vez com alguns elefantes em um campo de golfe na Barcelona...” Ele deriva em um devaneio. Ele fica espantado facilmente, e no momento ele está fixado nos misteriosos aperitivos verdes do bar. Eles são como ervilhas wasabi, mas não. Elas estão cobertas em pó de pimenta e parecem como pequenos tumores. Ele está comendo cada uma delas. “Foda- se, essas são boas? O que elas são? Eu quero cheirá-las também, elas limpam meus seios da face.”

Cerveja nº3

A ansiedade de Rob é mais do que meramente metafórica. Ele pede duas entradas – os mini hambúrgueres de carne com tomate e cebola e os mini hambúrgueres de frango com molho picante de manga – junto a outra bebida. “Eu como tanto, eu sou como um comedor compulsivo. Eu tenho comido no serviço de quarto e eu estou sempre preocupado a respeito disso, então eu escolho tipo, seis coisas no menu e as como todas.”

Ele não quer perder nada, o que implica em uma pitada de arrependimento. Ele nem sempre quis ser um ator. Ele era modelo. Ele é um guitarrista talentoso e pianista que brincava com a sua irmã mais velha Lizzy com a música pop.

Mas ele é do tipo sério, e as suas aspirações mais sérias envolvem escrever discursos políticos: “É fascinante. Você tem dois ou três minutos para afetar alguém. Fazê- las te ouvirem. Transmitir a mensagem e talvez a fazer ecoar. Eu meio que gostei de fazer a promoção do primeiro Crepúsculo porque houve uma semelhança. Mas após um tempo eu fui deixando de lado. Se você quer que as pessoas te escutem, é melhor que você tenha algo a dizer, Eu senti uma responsabilidade de ser fascinante. Você está negociando com o público. Isso é o suficiente para eles? E isso afeta a maneira como você olha para a arte.”

Arte. É ilógico pensar que ele não é permitido ter idéias sobre ela meramente porque ele tem ajudado várias pessoas a fazerem bastante dinheiro. “Antes, eu sentia como se não pudesse enfrentar nada, inclusive a mim mesmo. E agora parece que eu subi pelo meu cérebro e estou ao menos olhando dentro dele. Mas eu sei que eu levarei ao menos outros dez anos antes de eu estar remotamente satisfeito com qualquer coisa que eu faça;  Mas com a atuação você continua tentando com as esperanças de que você seja... ótimo. Mas depois eu penso, querer ser bom ou até mesmo ótimo, ou até mesmo apenas querer fazer arte, desvaloriza a experiência?”

 Eu tenho medo de que minha cabeça vá explodir. Ele responde a perguntas com mais perguntas. As portas abrem-se constantemente. Isso, às vezes, leva a problemas com scripts: Uma vez que ele vê todos os pontos de vista do personagem, muitas vezes ele precisa de algum tipo de destilação. O problema é que a menos que a destilação, de alguma forma, abrange a essência de cada personagem, ele só faz com que sua imaginação pegue fogo. É a tal da "visão caleidoscópica".

Algumas pessoas podem ter o oceano na frente deles e só colocar seu dedão do pé dentro, Rob quer nadar até que ele se afogue, e ele vai tentar beber toda água antes que se afogue. Sua luta é uma fonte de preocupação, porque ele não pode dizer a ninguém que quer mais: "Por favor, não faça isso comigo. Por favor. Eu sou o cara mais sortudo do planeta."

Ele preocupa-se em não ser egoísta. Ele se preocupa talvez em ser um humanista-separatista-estranho, porque seus momentos mais profundos foram com seu cachorro. E se preocupa em saber se pode ser um ator que atinge as massas e ainda pede por algo.

"Se existir lá fora, essa coisa de Ideia-DeEspítrito-Criativo- Invisível, então você deve achar um meio para que todos possam tocá-lo. Mas... O que lhe dá o direito de ser o medium? O que lhe dá o direito de reclamá- la? E, em seguida, obter um agente e dizer que quer 20 milhões de dólares e um cesto de fruta, afinal você é um medium, muito obrigado. Como ator, você pode elevar a condição humana ou desvalorizá-lo. Eu diria que o mesmo acontece com qualquer coisa que você faça - você tenta se elevar e talvez um dia você será alguém."

Um ator pode realmente ter a capacidade de levantar-nos, mas Rob, inconscientemente, começa a falar em voz baixa a cada vez que pronuncia a palavra ator ou qualquer variação do mesmo. Rob, você sabia que toda vez que você diz que a palavra ator, ou algo do gênero, a sua voz se torna um sussuro? Ele está realmente assustado. "Eu?" Sim, tão silenciosamente, é como você estivesse dizendo "negro". Ele ri, ilumina-se. "Se eu falasse algo como: 'atuassemos' como 'negros' ? Então nós estaríamos fodidos, não ouviriam nem um sussuro..."

CERVEJA N° 4

Rob pede ao garçom outra cerveja. Ele está falando de um tio que trabalhava em uma usina siderúrgica na cidade de Yorkshire, onde seu pai cresceu. O pai do Rob e seus tios afastaram-se de lá assim que começaram a envelhecer, mas o irmão mais velho ficou lá toda a sua vida. "Eles estão destruindo casas, ruas inteiras de casas. E meu pai perguntou-lhe:" Por que ficar? Ele disse: 'Quem vai cuidar de nossa mãe? "

E eu estava pensando, Santo Jesus Cristo, pode haver algo errado com a minha vista emocional, porque eu não tenho certeza se eu faria esse tipo de sacrifício. A única ligação emocional de relevância é com o meu cão. Meu relacionamento com meus cão, que é ridículo. "Eu acho que você precisa ser capaz de mudar de ideia sobre o que você pensa sobre si mesmo para tentar fazer qualquer tipo de arte. Eu costumava tocar música o tempo todo, e a parte mais surpreendente foi a liberdade que veio, deixei ir, e me surpreendeu."

Ele tentou se soltar um pouco com o photoshot que acompanha esta entrevista, mas não foi fácil. "Eu realmente odeio vaginas. Sou alérgico a vagina. Mas eu não posso dizer que eu não tinha ideia, porque era uma sessão de 12 horas, para obter a imagem e saber que essas mulheres vão ficar nua depois, em cinco ou seis horas. Mas eu não estava exatamente preparado. Eu não tinha idéia do que dizer a estas meninas. Graças a Deus eu estava de ressaca. "

E a sua mãe vai ter algo a dizer sobre isso? "Oh, Deus. Ele coloca a cabeça entre as mãos, dá de ombros. Bem, ela gostava bastante quando eu apareci na TV a cabo dela.”

Não é que a mãe de Rob agora passa a noite toda assistindo Skinemax em sua casa em Londres. "Não, não! Deus, não! É que há nudez em todo o lugar agora. Mas essa sessão, é tipo a nudez dos anos 80, entende? Se você olhar a pornografia, tipo, dos anos oitenta, havia algo do tipo exótico sobre ela, muito doce como esta pequena comunidade nua. As pessoas que o fizeram gostaram, tinham respeito por ela. Nem remotamente parecido com a pornografia que está disponível agora. Nenhuma semelhança. É apenas tudo, em todos os lugares."

Doce No Reino Unido, Smarties são feitos de chocolate e é tipo como M & M's nas cores esquisitas como lilás e azul-petróleo, mas de alguma forma mais deliciosos. Rob não é realmente um cara de sobremesa, mas ele está rapidamente devorando meu último pacote de Smarties. “Incrível. Eu comi 5.000 destes já. Vê com o que você tem que lidar?"

Em Remember Me ele interpreta um cara cujas questões são estranhamente similares à sua. Tyler é um jovem que se retirou para dentro de si, mas depois ele conhece uma mulher, entra em conflito, e tem que escolher se quer permanecer no bloqueio ou dar um passo para a vida e o mundo.

"Tyler está tão consciente de suas ações. Mas ele não tem nenhuma idéia se elas são de algum valor. Você pode ser uma pessoa se você vive na bolha? Ele está preso no meio. Ao mesmo tempo, ele tem a sorte de ter a opção. O conflito é inato em uma pessoa de sorte."  

O que te atraiu para o papel? "Eu sou uma pessoa de sorte. Graças a Deus. E eu estou em conflito. Graças a Deus."

Ele me conta sobre um livro que leu chamado Eat the Rich, por PJ O'Rourke (revelação completa: PJ foi casado brevemente com a minha irmã, apesar de Rob não fazer ideia). Ele foi atraído para uma parte que diz algo como: a riqueza de um homem não significa pobreza de outro homem e vice-versa. 

Rob ficou ligeiramente envergonhado por falar em voz alta essa ideia. Ele não tem certeza se deve se sentir culpado, por gozar disso tudo, ou ambos.  A coisa é que não existem regras para uma vida tão extraordinária quanto a que ele tem agora. 

Ele me conta uma história do elefante. Não aquela sobre os elefantes da Barcelona - sobre um que ele conheceu recentemente na Califórnia. "Sabia que elefantes ronronam? É completamente assustador se você não sabe o que é. Eles ronronam como gatos, mas as cabeças deles são tão profundas que soam como velociraptores. Você sente-o no chão sob seus pés. E então, essa grande fêmea começou a cheirar o meu pé – uma grande elefante fêmea, é o que é. Ela cheira tão forte que o pavimento saiu como se a sua tromba fosse um aspirador de pó. Então ela tomou meu corpo inteiro em sua boca. Eu estava me segurando em sua cabeça, e enquanto eu a deixa ir lentamente, ela me apertou bem apertado até que eu fiquei de cabeça para baixo na boca dela e ela está passando por meus bolsos com a sua tromba, procurando por balas de menta. Foi o melhor dia da minha vida. "

Então você perdeu o controle para um elefante, foi apalpado, assaltado, teve seus doces arrancados – e foi glorioso? “Sim. Tão bonito que você não pode imaginar. E o bebê elefante estava tão animada que ela correu para fora e fez a sua rotina em cinco segundos e em seguida, voltou para todos. Foi realmente hilário. Brilhante. Sabia que eles também podem fazer imitações de outros animais? Um cavalo, uma galinha, um macaco - estes elefantes poderiam, de qualquer maneira. Eles eram elefantes filme. Um tinha escrito um roteiro, e um realmente quer dirigir ". Ele ri. 

Ele estava em Los Angeles, para conversar com Sean Penn sobre Water for Elephants, uma adaptação do romance de Sara Gruen.  Os elefantes são atores como ele, e ele se pergunta se ele poderia, em algum nível cósmico, ser um pouco como eles.

"Você sabe como eles morrem? O cara do elefante me disse que os seus molares quebram quando comem madeira, mas regeneram-se por seis vezes. E depois eles lentamente morrem de fome. Isso é triste, mas também é o que lhes dá tempo para chegar ao cemitério dos elefantes. Eles são criaturas incrivelmente projetadas. Quero dizer, as pessoas se penduram por um longo tempo. Se eu soubesse isso quando meu dente caiu...isso foi... Uau, o melhor dia de minha vida. Lindo, lindo dia."


 Alguns momentos depois, Rob anuncia que vai conseguir um táxi para casa e se desculpa. Posso levá-lo? Eu não gosto de você indo lá sozinho. "Eu vou estar bem."

Tradução: Iana Louise, Deia Cullen, Aline Wenceslau e Tuane Santana

Powered by CuteNews