Prévia da entrevista de Rob para a Elle US - maio de 2011

Traduzido/Publicado por Deia Almeida em 07 Apr 2011


E assim começa a carreira pós-vamp de Rob Pattinson, ídolo moderno e um  refrescante Britânico atrevido

Como explicar o fenômeno de Rob Pattinson? Pode-se concentrar em sua aparência (byroniano, ardente, perfeito), focalizando as maçãs do rosto (navalha afiada, perfeita), olhos azuis (misteriosos, uma página no Facebook inteira dedicada a eles, perfeitos), e que cabelo (despenteados, brilhantes, de lamber os dedos).

Outro caminho é tentar dar sentido as suas superfãs de Crepúsculo, as gritantes meninas que acampam por até uma semana, na esperança de apenas pegar um autógrafo, ou que pedir uma mordida no já sarnento, pescoço ensanguentado. Alguns Twilighters querem saber mesmo se ele é realmente um  vampiro, como são obcecados sobre seu relacionamento fora das telas com Kristen Stewart. (Aqui vai um pensamento: Sendo humanos, eles podem ter dormido juntos algumas vezes, mas, provavelmente, são realmente apenas bons amigos.)

Mas como olhar "RPatz" com empatia, mesmo piedade e avançar na teoria de que ele é um bom, simples, afável rapaz de 24 anos do subúrbio de Londres, que caiu acidentalmente neste negócio de galã ídolo adolescente? Afinal, não era seu plano ser lançado contra grandes possibilidades em um filme de vampiro  abstinente; na verdade, por volta de 2007, antes de as câmeras de Crepúsculo rodarem, ele estava flertando com o abandono a carreira de ator, fazendo música no seu canto. (Deixa pra lá.)

Durante um intervalo das filmagens de Amanhecer, a conclusão da série Crepúsculo, um mundo cansado dessa sonoridade, Pattinson animou-se enquanto discutia sua carreira pós-Crepúsculo. Em Água para Elefantes, ele interpreta um estudante de veterinária que se apaixona por uma artista de circo casada (Reese Witherspoon), e este ano ele vai ser visto co-estrelando com Uma Thurman, Christina Ricci, e Kristin Scott Thomas, em Bel Ami, baseada no romance de Guy de Maupassant sobre o corrupto jornalista Georges Duroy, que  seduz e manipula o seu caminho até o topo.

Elle: Como é o romance de Bel Ami?

RP: Incrível. Um dos meus favoritos. O script era muito bom também. Duroy mudou um pouco. Ele é tão cínico no livro, mas agora está convencido de que sabe tudo e que foi errado, que ele acaba sendo bem sincero. Ele percebe que todo o mundo que ele vive é uma mentira; isso o deixa tão irritado que ele quer basicamente queimar tudo... e apreciar tudo, ele se torna o que mais odeia: uma merda pomposa. 

Elle: Foi divertido interpretar um homem que toca nas mulheres ao invés de um celibatário?
RP: Completamente. Achei que foi tudo muito divertido - Crepúsculo tem uma audiência feminina - para interpretar um cara que basicamente usa mulheres para conseguir dinheiro. Eu gosto do fato de que você nunca ouviu falar de um filme onde o bandido da facadas nas pessoas pelas costas e, em seguida, ganha. 

Elle: Então você adorou ser um jornalista desonesto?
RP: Gosto da seção em que ele consegue o emprego como jornalista de fofocas e de uma maneira totalmente banal ele muda as coisas - usa a mesma história e muda os nomes. Acho que isso é muito, muito verdadeiro. 

Elle: Uma vez foi dito que você estava grávido.
RP: Sim, a uns dois anos atrás. Isso era verdade, embora. 

Elle: Algum outro encontro estranho com a mídia recentemente?
RP: Uns paparazzi que me seguiram, e eu achei que a melhor maneira de lidar com isso era parar meu carro no meio da rua e dizer, "não estou saindo, não vou mais falar com vocês." Eles ficaram bravos porque não poderiam usar a mesma foto. Estávamos em Venice no calçadão, e eles tentaram mandar vários vendedores de drogas para meu carro. Eu estava como, oh meu Deus, isso é loucura. 

Elle: Alguma vez você já se fantasiou de algo para destruir essa imagem de "Crepúsculo"?
RP: Você sabe, quando tudo cai e não há nenhum paparazzi em volta - eu não sei, em 15 anos ou algo assim - eu gosto da ideia de um paparazzi vir e tentar pegar uma foto, e eu espanco ele. Quero dizer  - em lugar nenhum - quando minhas fotos nem valiam... e eu gastei todo meu dinheiro, então você não pode me processar! 

Elle: É sua ideia de inferno estar com 45 anos e posando com fãs de Crepúsculo em eventos da Comic Con?
RP: Quero dizer, isso seria totalmente bom - se eu não tivesse nenhuma responsabilidade, se não afetasse mais minha carreira. Fiz alguns filmes depois de Harry Potter, quando estava totalmente desempregado. Você pode se divertir muito. Existem muitos estranhos. 

Elle: Você já teve muitas experiências de quase morte?
RP: Sim, pesadas. Sou o pior motorista do mundo. Toda vez que pego um carro, eu ligo para meus pais e digo adeus

Elle: Qual percentual de maldade você acha que tem?
RP: Quero dizer, eu costumava pensar que estava em torno de 40%. Acho que eu estava superestimando. Acho que é mais como 3%, o que é desapontante. 

Elle: Aqui está uma linha de Maupassant: “A essência da vida está no cheiro em volta do botão feminino, abaixo das sombras do tédio cósmico." Algum pensamento?
RP: Essa é uma frase totalmente verdadeira. Botões redondos femininos são um milagre. 

Elle: O que você queria que acontecesse para sua noite se tonar inesquecível? Qualquer coisa que você queria.
RP: Acabei de comprar um pequeno cachorro, então estou tendo uma noite de menina com meu cachorro, como um resgate. Vai parecer que estou inventando isso. 

Elle: Com qual mulher você sonhava quando era adolescente? RP:  Eu sempre fui obcecado com Kate Moss. Na parede do meu quarto eu tinha  um pôster de Linda Blair e Kate Moss. Eu sempre gostei de Jane Fonda. Quem  mais? Ellen Burstyn.


ELLE:  Você sempre envergonhado ultimamente?
RP:  Eu acho que se você está constantemente em público, você não tem vergonha de nada. Mas a dança é o meu calcanhar de Aquiles, eu nem sequer tento. É como, "Vamos lá, dance!" "Não, eu não estou a levantando!" Eu posso dançar sozinho sem ninguém assistindo. Eu sou um grande dançarino então.


ELLE:  O diretor Chris Weitz ( A Saga Crepúsculo: Lua Nova ), uma vez descreveu você como "estudioso" e um "esquisitão ... no sentido de melhor."
RP:  Eu acho que eu costumava ser mais estranho. Quando você é confrontado consigo mesmo demais, você começa a pensar, Jesus Cristo, você é tão chato. E quanto mais você pensa que é chato, mais você se torna chato. Eu falo sobre mim muita coisa agora.


ELLE:  Você já viu o documentário Robsessed ?
RP:  Eu vi pedaços, porque alguém disse, "Todos os seus amigos estão sendo entrevistados nele e falando de você", e eu pensei, "Que porra é essa?" Então, eu o assisti. Eu amo essas pessoas que fingem ser meus amigos e fingem ter me conhecido, ter conhecimento de informação privilegiada e realmente alguns tipos de pessoas famosas que nunca me conheceram, eles apenas destroem a credibilidade de uma vez só. O assustador é uma coisa que peguei no iTunes, e eu olhei todos os comentários e quase único comentário a cada era, "Quem é esse idiota fazendo um documentário sobre si mesmo? Quem ele pensa que é? "


ELLE:  Quais são algumas das descrições do que você já teve o bastante?
RP: Eu nunca tive a coisa chocante. Eu tive o suficiente disso.


ELLE: O que você gostaria de mudar?
RP: Chocado. "Rob Pattinson olhando chocado." Chocado: É, assim, depois termino meditando.


Confiram o scan da revista em nossa galeria clicando aqui.

Fonte | Tradução: Desirée


Powered by CuteNews