Fãs entrevistam Bill Condon no Comic Con

Traduzido/Publicado por Josi Teixeira em 30 Jul 2011


Sobre a cena de lua de mel, eu notei, claro, o humor nela. Por que vocês escolheram fazer isso dessa forma e como foi que essa decisão aconteceu?
Bill: Sobre ser engraçado quando ela está se preparando? A cena apenas pareceu como se fosse humana. Era como se, de novo, tornando tudo mais real possível, e é como ninguém nesse momento é tipo ”Oh meu Deus, está prestes a acontecer”, é uma coisa que vai acontecer esta noite. Deus, é Bella, após todo esse tempo. E é um vampiro, sabe? Mas agora é o momento e é apenas fazer isso como uma coisa que fosse mais possível de se relacionar. Tipo, o que você faz? Você tenta controlar da maneira que pode. Você sabe, você escova os dentes pela décima vez e faz todas essas coisas para se fazer pensar que você está pronta, que é claro que você não pode fazer. E então a nossa forma de editar foi meio como se ela estivesse no meio de um pequeno colapso nervoso. Sabe o jeito da Kristen? (bate os dedos impacientemente na mesa, todo mundo ri) Esse foi o ritmo daquilo, sabe? Combinamos aquilo da maneira que apresentamos.

Você já teve experiência de trabalho com um monte de atores mirins, e como foi trabalhar com todas as Reneesmes?
Bill: Oh, sim (risos). Isso é para a parte 2! Eu tinha feito um pouco antes, mas não tanto quanto agora. Primeiro, Mackenzie, ela é uma menina de 10 anos que parece ter 30. Ela é tão madura e inteligente, de modo que foi um prazer. Às vezes era difícil porque a outras atrizes apenas estiveram lá. Foi sempre apenas as expressões de Mackenzie e coisas assim, então foi uma coisa muito técnica específica que até mesmo eu estava aprendendo enquanto nós o fizemos. Mas eu tenho que dizer, eles eram guerreiras de verdade essas meninas.

Nós tivemos o prazer de ter Stephenie Meyer conectada aos filmes. Como foi como trabalhar com Stephenie, na base do cara a cara? Como foi trabalhar com ela?
Bill: Foi muito bom, quero dizer, você a conhece. Ela é tão pé no chão, sabe? E ela é tão… É uma coisa interessante, e eu não sei se isso aconteceu ao longo do tempo ou se é assim que ela sempre foi, mas ela também é um amante do cinema. E ela realmente se tornou muito bem informada sobre como fazer filmes e sobre o que você tem que fazer para, tipo, de não matar seus bebês, mas às vezes há coisas que funcionam tão bem na descrição mas que não se traduzem bem cinematograficamente. Como a cena que você viu [no Hall H] e que não estava no livro, certo? É uma sugestão no livro, mas se torna muito dramática no filme, onde uma vez Jacob rompe com Sam, não é que Sam vai atacar imediatamente. Ele vai sentar e esperar e fechar-se sobre eles, sabe? E agora eles estão presos naquela casa, é um cerco. E eles não têm se alimentado. Então, eles estão ficando mais fracos quando os lobos estão ficando mais fortes e mais unidos. E Jacob tem que descobrir uma maneira de ajudá-los a sair. Então, ele faz esta coisa, e eu não quero revelar muito, mas aquela coisa onde ele diz: “Não, eu vou ser a pessoa a cuidar disso, porque eles confiam em mim”. É aí que você está querendo saber se isso é verdade, se Jacob está oscilando. É outro tipo interessante de conflito que acontece e que cria um filme melhor.

Houve alguma coisa que você achou particularmente desafiador? Teve alguma cena que você pensou quando olhou para o roteiro “Sim! Eu vou fazer isso” e aquilo se tornou realmente um desafio, ou algo que você estava realmente animado para filmar?
Bill: Acho que ambos são lados da mesma moeda. E as coisas mais emocionantes, algumas delas, foram as que eram as mais assustadoras. Eu acho que cada filme as tem. Neste filme estava falando dos lobos, certo? Finalmente estamos fazendo isso. o ponto de vista dos lobos e vendo e capturando como eles se comunicam. Isso foi assustador. O imprinting foi definitivamente assustador, o nascimento da criança era assustador. Eu diria que esses foram os três grandes que foram grandes ideias do livro que tinham que ser capturados e ser excitantes e eu acho que você pode facilmente ir por um caminho muito errado. E espero não ter ido.

Com o nascimento, como você falou, é um parto violento, e a luta iminente com os Volturi, e então a lua de mel e as cenas de sexo. Conhecendo todos os aspectos, você acha que é difícil equilibrar o limite entre o PG-13 (censura livre) e R-rated (classificação etária para maiores de 18 anos)? Você meio que foi para o censurável e depois cortou? Como é que você abordagem que você usou?
Bill: Você sabe, eu acho que é um bom desafio, porque a coisa que faz algo censurável é, literalmente, mostrar e se você se dá essa regra: eu não vou mostrar, não vai ser a nudez frontal, ninguém quer isso, isso não é apropriado aqui, mas eles vão ter de fazer cenas de amor intenso. Ou nós não vamos, novamente, mostrar sangue espirrando contra as paredes, mas isso vai ser muito visceral. Isso realmente se torna um desafio divertido para se certificar de que você sente que tem a mesma experiência sem ter que assistir a algo clínico. Acho que o torna melhor. Há grandes cenas românticas em filmes com censura livre, sabe?

Uma das perguntas no painel de fãs hoje foi qual era o filme favorito da saga. Como é a sensação de ter cada membro do elenco dizendo Amanhecer?
Bill: Bem, primeiro de tudo, eu fiz uma piada pela forma como quando eu disse Amanhecer. E Taylor disse isso. Eu acho que Kristen teve o cuidado de dizer que ela amava Crepúsculo. Tenho um grande respeito por cada diretor que veio antes e acho que todos fizeram um incrível trabalho e incrivelmente diferente. É por isso que eu estava interessado em assumi-lo. Porque eu não consigo pensar em uma série como esta, onde é a mesma coisa… Eu acho que você pode dizer que Harry Potter, mas eles parecem ficar mais perto estilisticamente do que esses filmes ficam. Mas você tem o material de origem, e Melissa fazendo esse roteiro e o elenco em comum, os filmes parecem muito diferentes. Enfim, acho que se houvesse alguém para dizer que eu me sinto como se houvesse uma vantagem um pouco injusta que eu tenha com este filme é o que basicamente acontece. Os filmes do meio foram arrumando as coisas. E eu acho que quando você é um escritor a parte mais difícil é o segundo ato, e esses foram os filmes ‘segundo ato’.

Como você se sente sobre chegar e terminar a série, tendo uma base de fãs estabelecida que sabemos que pode ser inconstante. Você está lidando com muitas mulheres (Bill ri) por aí. Como você se sente entrando e terminando os dois filmes? Não apenas um, mas dois.
Bill: Isso é o que o tornou interessante de fazer. Não que eu iria fazer o próximo, mas que eu ia fazer o último. Ou, um dividido em dois. Porque é como uma chance de tipo de… não sei… (pausa) deixe-me colocar, é como, eu acho que é parte do que é especial sobre isso. Você está contando com o fato de que as pessoas se abrem para ele de uma forma que talvez, como você diz, se fôssemos nós a fazê-lo para os próximos 20 anos é como “Eh, eu posso pular este”, mas eu sinto que há uma urgência de fazê-lo, que tornou mais um motivo para fazê-lo.

E eu acho que uma outra parte disso, além de fazer o último, a maioria dos fãs parecem pensar que os filmes têm ficado melhores progressivamente ao longo da saga. Sendo assim, você se sente uma pressão extra sabendo que eles estavam tendo grandes expectativas para Amanhecer?
Bill: Acredite em mim eu sentia a pressão (risos). E eu já tive um gostinho disso. Quando tivemos o teaser, e o cabelo da Tanya é loiro e não loiro morango, não a cor do seu (aponta para Amanda do TwilightMoms) havia um monte de pessoas que ficaram chateadas com isso. Assim, não há dúvida, é uma base de fãs incrivelmente leal, mas muito vocal também, então eu sei que vou ouvir sobre essas coisas. Mas você faz escolhas baseadas no rosto de alguém e como as pessoas ficarão juntas e coisas assim.

Eu fiz a pergunta esta manhã na conferência de imprensa para a Ashley sobre como seu cabelo mudou de forma tão significativa de filme para filme e como ele foi parar onde está agora, e ela disse que vocês estavam preocupados que os fãs pudessem reagir negativamente à outra peruca e um corte diferente, na esperança de que se fosse mais perto do que era nos livros os fãs ficariam bem com isso?
Bill: Uma vez que seu cabelo não cresce, eu suponho que todo mundo vai ficar tipo, raspada pelo próximo filme? (Risos) Mas eu sinto que esses filmes existem no tempo e a moda muda mesmo através de quatro ou cinco anos, então para ela, que tem uma ideia tão forte de moda, especialmente neste filme, onde ela está planejando o casamento que representa o seu sentido de um casamento Edwardiano que Edward teria tido, e também meio que fizemos ela refletir sobre os momentos em que essas pessoas viveram. Nisso nós começamos com ela tendo este tipo de visual melindrosa no casamento, que eu acho que você pode ter visto um vislumbre do que é no trailer. E começando com isso que era algo como, quem é a mulher mais elegante do mundo? Ainda é Audrey Hepburn. Vamos dar a ela um pouco de Audrey. E se alguém seria refazer seu cabelo é Alice. Eu sinto que nesse você pode acreditar. E depois os outros é apenas uma questão de muitos visuais de Jackson Rathbone (todos riem) O que você pode dizer? Eu acho que fica bonito.

Os atores são frequentemente questionados sobre as cenas que são emocionalmente desgastantes. Você sente que houve algumas cenas, como diretor, que você foi emocionalmente atraído? Que cenas em particular em Amanhecer, que não foi fácil de deixar essas emoções?
Bill: Bem, você tem que conseguir porque você tem que estar pronto para a próxima uma hora depois, ou no dia seguinte, mas cara, absolutamente, havia todas estas coisas ao longo do caminho que você só tinha uma descarga de adrenalina quando você finalmente acabava e passava por isso, porque tantas coisas podem dar errado. Como o parto, eu continuo indo de volta para isso, mas foi incrivelmente intenso. Taylor, seu coração estava batendo fora dele, mas Rob, você vê aí que ele está tentando trazê-la de volta à vida e a angústia dele e do pânico de tudo, e em seguida, Kristen apenas dando tudo de si. Da forma que vocês verão, todo o esforço de dar à luz, mas ela é a melhor pessoa morta que eu já vi. (todos riem) E isso não é fácil porque havia tomadas que tinham um minuto de duração e que nunca piscou, ela nunca parecia respirar, eu não sei como ela fez isso, mas essa área fria era muito intensa. E no final das filmagens em Louisiana estávamos filmando há quatro meses já, meio que cansados e todo mundo está desgastado, todas as nossas defesas estavam baixas e o que também foi uma daquelas coisas em que você chegar lá e faz, e isso levantava todo mundo para o resto das filmagens, porque simplesmente sentia como algo real tinha acontecido. Essa é a coisa que é ótima em um set, quando você sabe que algo real que aconteceu é quando a equipe fica de repente incrivelmente calma e todos estão prestando atenção, é meio que como você sabe que está acontecendo bem na sua frente e todo mundo está ciente disso.

Você é obviamente um diretor muito experiente, e todo o elenco vai de iniciantes a pessoas como Kristen, que fez dezenas de filmes. Existe alguma coisa que algum dos atores especificamente lhe ensinou e que você saiu com o pensamento que você não tinha essa informação ou conhecimento antes?
Bill: Oh, Deus, sim, totalmente. E você sabe que eu sou experiente, mas ainda assim eu estive em uma metade dos sets que Kristen esteve, ou talvez um terço, você entende o que eu quero dizer? E nem sequer quero pensar em Michael Sheen. Então sim, quero dizer, você está sempre aprendendo nos filmes, com certeza. Mas especificamente aqui, obviamente, estes atores todos conhecendo os seus personagens tão bem, mas você pega alguém como Kristen, ela vai estar dirigindo filmes em pouco tempo. Ela simplesmente sabe tudo sobre o processo – tudo. E simplesmente ela sabe “Oh meu Deus, eu deveria levantar os meus olhos apenas um pouco da próxima vez” e coisas assim. Ela é uma colaboradora fantástica, onde é como, e se você explicar “Ok isso parece um pouco artificial, mas vale a pena fazer” eu entendo. Mas fizemos um monte de reuniões falando sobre o roteiro por semanas. E ela tinha ideias, eu não estou dizendo que era só ela, mas ela fazia muito, e “Oh, isso é uma grande ideia”. Então, sim, o tempo todo.

Um dos lugares mais insanos por Crepúsculo, um dos lugares mais apaixonados do mundo por Crepúsculo, é o Brasil. Como você lidou com a filmar lá com tantos fãs que são diferentes de fãs nos Estados Unidos, que são muito apaixonados…?
Bill: Porém respeitosos. Foi muito interessante. Você sabe que o Rob contou aquela história de quando estávamos filmando (risos), mas foi realmente como se todos estivessem na rua em uma festa e de repente uma menina meio que foi em cima dele (imita braços sobre o pescoço do Rob, expressão de surpresa do Rob). E acho que ela foi decapitada (todos riem), porque eu perguntei algumas horas mais tarde “O que aconteceu com ela?” E todos estavam tipo “Eu não sei!” (Risos).

Você está planejando algo especial para o Brasil?
Bill: Espero que sim, com certeza. Eu quero voltar para o festival de cinema de lá. Eu não sei se este ano ou no próximo ano. Mas devemos definitivamente ir porque é realmente uma parte importante deste filme. E foi ótimo, eu me diverti muito por lá.

Fonte: twilightmoms.com


Powered by CuteNews