Entrevista de Robert Pattinson para Télé Câble SAT Magazine

Traduzido/Publicado por Deia Almeida em 21 Jun 2012


Bel Ami é diferente dos filmes de Crepúsculo que fizeram você uma estrela internacional. Por que este filme?
Rob: Eu me forcei desde o início a fazer filmes diferentes no meio de cada filmes de Crepúsculo, porque me fazia sentir melhor ao me tornar um cara normal novamente sem maquiagem excessiva ou lentes de contato. É por isso que eu queria fazer Bel Ami. Eu sabia do romance de Maupassant, porque eu amo literatura francesa. O único arrependimento que eu tenho é que fizemos na Hungria, em vez de Paris.

Por que você não filmou na França?
Rob: É muito difícil encontrar a Paris, de Guy de Maupassant, na capital francesa de hoje. Considerando que há centenas de ruas em Budapeste que se assemelham a Paris do século 19. Mas eu espero filmar na França em breve.

Você já tem um projeto que permitiria isso?
Rob: David Cronenberg tem uma idéia de um filme que poderia ser feito na França e eu ficaria feliz de colaborar com ele novamente.

Você esteve recentemente em Cannes por seu filme Cosmopolis, qual foi a sua melhor lembrança do festival?
Rob: É meio que um fato embaraçoso, que data de alguns anos atrás quando eu vim por Crepúsculo. Acabei enfrentando uma maré humana quando saí da praia. Guarda-costas tiveram que me carregar sobre a multidão para que eu pudesse voltar para o meu carro. Foi surreal, mas eu prefiro rir disso. Este ano com Cannes, com a competição com Cosmopolis, eu realmente senti como se estivesse aqui por todas as razões certas.

É verdade que Brad Pitt lhe deu dicas sobre como lidar com as multidões em Cannes?
Rob: Não, Cannes é uma espiral infernal. O melhor conselho que recebi foi para manter a minha cabeça baixa para que eu não trocasse olhares com outras pessoas.

Com toda a atenção da mídia, você ainda consegue viver uma vida normal?
Rob: Eu me recuso a reclamar da minha sorte. Digo a mim mesmo que eu preciso me segurar e aguardar alguns anos passarem. No início do sucesso de Crepúsculo, as pessoas me chamavam de Edward nas ruas. Eu não acho que eu sou o único com quem estão fascinados, mas sim pelo meu personagem.

Por acaso você acha que não pode merecer tudo isso? Você às vezes se sente culpado?
Rob: Não culpado, mas com sorte, com certeza. Minha ambição é durar portanto vou trabalhar duro porque eu sinto que a mania atual morrerá pra sempre eventualmente.

O que você faz quando não está filmando, dando entrevistas ou tentando escapar de seus fãs?
Rob: Eu durmo. Eu sou um cara muito tímido, eu prefiro o silêncio de meu quarto de hotel do que uma noite em um clube.

Em Bel Ami, seu personagem passa de uma mulher a outra para subir na escada social. Você se relaciona com esse papel?
Rob: Aconteceu de eu flertar com várias garotas antes de eu ser famoso... mas nunca funcionou. Na vida real, as meninas costumavam me dar o fora. (risos)

Levou mais de 3 anos para Bel Ami ser lançado, por quê?
Rob: Por causa de um motivo louco: um estúdio americano estava muito interessado pelo filme, mas eles queriam mudar o final. Eles não queriam um final trágico, talvez para deixar em aberto, na esperança de uma sequência (risos). Para pegar uma obra-prima e mudar o seu resultado por razões de marketing é simplesmente ridículo para mim. Então, levou um tempo para encontrar um distribuidor que traria o filme às telas, mantendo a história de Maupassant intocada.

No último filme da saga Crepúsculo - que será lançado na França em 14 de novembro - seu personagem se torna um pai. Você poderia se identificar com ele?
Rob: Kristen disse que sua cena mais difícil de filmar foi o nascimento do bebê. Eu admito que isso é muito na minha mente, mas ela foi quem teve que fingir um parto, não eu. (risos) Eu não me vejo casado ou como um pai, mas é pra isso que o cinema está aí. Para calçar os sapatos de alguma outra pessoa, alguém que poderia ser o completo oposto de você, eu amo isso.

Onde está você agora quando se trata de sua música?
Rob: É algo que eu guardo em mim e eu não tenho muito tempo para me concentrar nisso agora. Ao passar meses em Los Angeles, percebi que todos os atores jovens querem ser músicos ou cantores também. É um clichê que eu gostaria de evitar. Eu amo tocar violão, mas por enquanto eu estou tocando como um entusiasta apaixonado. O cinema vem em primeiro lugar!

Qual é a coisa mais louca que uma fã já lhe fez?
Rob: Eu achei engraçado a primeira vez que uma garota me pediu para morder seu pescoço.

Que poderes de vampiros que você gostaria de ter: força imortalidade, ou o poder de voar?
Rob: O poder da invisibilidade... Não é preciso explicar-lhe porquê.  (risos)

Fonte | Tradução: Sheila Andrade


Powered by CuteNews