Robert Pattinson em “Lembranças” - Parte I - Cast Spotlight

Traduzido/Publicado por Milla em 27 Aug 2010


Nossa Contribuinte frequente Jessegirl, nos escreveu outro artigo maravilhoso. Esse artigo, parte 1 e 2, fala sobre Robert Pattinson e sua experiência em "Lembranças".

"Como ator, você pode elevar a experiência humana ou barateá-la. Eu poderia assumir que isso vale para qualquer coisa que você faz - você tenta elevar e talvez, um dia, você consiga." Robert Pattinson disse a Jenny Lumet para a Details, em março de 2010.


Condições de trabalho:
No verão de 2009, Remember Me (Lembranças) foi filmada em Nova Iorque. Graças a tecnologia moderna como Twitter, paparazzi e fãs encheram todos os locais de filmagem ao ar livre, desde a University ao Central Park.

Vídeos e fotografias em cada passo que Pattinson dava em publico e essas perseguições eram tão intrusivas quanto NY permitia, para desanimar não só a estrela, mas também o diretor e a tripulação. Fãs de Pattinson forraram as ruas, fotos de celulares, e grandes momentos de espera até ele sair de seu trailer. Brosman e Ellington disseram que todos sabiam, pelos gritos, quando Pattinson estava vindo trabalhar. Tem fotos incontáveis dele indo e vindo do set escoltado por alguns guardas. Outras dele com sua cabeça abaixada, tentando salvar o pouco que restava da privacidade. (Aqui seria o melhor lugar para mostrar o que eu quero dizer. Ironicamente, a melhor maneira de ilustrar o efeito que isso tem sobre o ator seria mostrando fotos tiradas por paparazzi. Eu não vou fazer isso. Eu tenho confiança na sua imaginação. Então, imagine.)

Para um ator, a habilidade de concentrar, focar em seu personagem, suas falas, é suprema. Pattinson também sabia que ele estava aprendendo seu oficio. Essa invasão de paparazzi e fãs, ele admite, o levava a loucura até ele aprender a bloquear isso mentalmente. Era uma situação louca e patética, mas Pattinson lidava com isso muito bem. Ele era, como Brosman disse, a encarnação da graça sob pressão.

Mas se pergunte, enquanto lê isto, como você lidaria se fosse tão intensamente examinado em seu local de trabalho, se não tivesse para onde escapa, exceto para dentro de você? Se você consegue imaginar como é para ele ser tão sitiado, você simpatiza com seu sofrimento?


Assinando:
Em 2009, depois do sucesso de Crepúsculo, parecia que a virada de Pattinson como Tyler Hawkins foi orquestrada como um caminho ao estrelato para ele. Não foi. Se os críticos tivessem feito seu dever de casa corretamente, eles saberiam que Pattinson assinou para o filme muito antes da estreia de Crepúsculo, antes de sua fama. Ele estava lendo muitos roteiros e leu “Memoirs” (Remember Me/Lembranças) em um estacionamento. Em entrevista de vídeo na conferência de Remenber Me, ele disse que havia lido em torno de 50 roteiros, e esse se destacou. O jovem protagonista parecia complexo e daria a Pattinson muitos emoções ricas para trabalhar. O roteiro fluiu naturalmente, o dialogo era verdadeiro e o relacionamento parecia real para ele. "Tinha alguma coisa tão poderosa nisso, na primeiro vez que li o roteiro," ele disse no Tapete Vermelho de George Pennacchio.

Nick Osborne, o produtor e Allen Coulter, o diretor, ouviram que Pattinson estava interessado e se encontraram com ele. Os homens estavam "na mesma página" no projeto. Então Pattinson assinou com eles. E então saiu Crepúsculo.

Mas depois de Edward Cullen ter feito seu desfile nas telas, todos estavam vigiando, querendo e esperando "a lua" de Robert Pattinson. Um artigo interessante: "Hollywood esta vigiando: Robert Pattinson pode protagonizar um filme?" O alvo de Hollywood era Robert Pattinson.

Pattinson admitiu o que qualquer um faria em sua situação. Em outra entrevista de vídeo ele disse que "é difícil aprender quando todos esperam que você seja o numero um... é meio preocupante". Na verdade é cruel. Infelizmente, Hollywood, a mídia, os paparazzi, não se importam.


Porque fazer filmes?
Fora daquela historia de que atuar é uma maneira de conhecer garotas, as razões de Pattinson para atuar, de acordo com ele, são muito pessoais.

Ele disse - em varias entrevistas na conferencia de Remember Me - que ele escolhe papeis que o ajudem a evoluir como ser humano, que é purificante e meio que uma terapia. Enquanto alguns acreditam nessa visão idealista ou não, esse homem pode pensar-se em uma tempestade. E seu comprometimento com Remenber Me revela um homem com integridade.

Ele está comprometido em fazer filmes de qualidade, então seu nome "vai servir pra alguma coisa", evitando dinheiro e fama. Agora isso parece estranho, considerando a franquia Crepúsculo, mas devemos lembrar que ele assinou para isso quando era um pequeno filme independente. Francamente, todo ator astuto sabe que esses grandes filmes lhes dão liberdade para escolher filmes que realmente importam. E atores espertos são aplaudidos por fazer isso.

Em um entrevista recente (moviesonline.ca http://www.moviesonline.ca/movienews_17786.html>) ele disse alguma coisa interessante sobre escolhas de carreira: "você tenta fazer cada pequena coisa, tenha acrescentar alguma coisa nisso… Eu tento escolher coisas que acho que posso dar algo mais ou ajudar a elevar isso de alguma maneira." Ai esta a palavra 'elevar' novamente.


Furando com "Lembranças":
"Lembranças" teve dificuldades de financiamento porque não é uma históia fácil de agradar.Os bons nunca são. Pattinson disse "isso parece ter tido uma razão para ter sido escrito e uma razão para ser feito". Uhuu. Para colocar isso suavemente. Ele, Osborne e Coulter sabiam que tinham algo especial na historia de Fetter e fizeram o possível para fazer isso corretamente. Seus investimentos pessoais nunca foram sinalizados.

Quando o Manny the Movie Guy os entrevistaram (10 de março de 2010) perguntando sobre Robert ter continuado com o papel mesmo após a fama de Crepúsculo, Fetters e Coulter confirmaram o firme compromisso de Pattinson ao projeto. Coulter disse que nunca houve dúvida quanto a lealdade de Pattinson, e que ele sempre assistia aos jornais. Fetters: “Isso fala sobre a integridade dele quanto artista o fato de ter se conectado ao personagem e ao material e ter querido ver através do compromisso dele e da paixão que ele trouxe... ele foi profundamente sério sobre interpretar esse personagem.”

Na verdade, o compromisso de Pattinson foi além da atuação neste filme. Ele é creditado junto ao setor da produção. Uau! Com quanta frequência isso acontece com atores tão jovens? O que todos nós temos que perceber é que Pattinson não é um homem comum, e que os outros responsáveis por este filme tiveram bastante investimento emocional nele. Eles não tiveram vergonha de usar todos e qualquer meio para assegurarem que a história fosse contada de maneira apropriada.


Qual foi o envolvimento específico quanto a Pattinson, não tenho certeza. Ele esteve nas mudanças do roteiro, até mesmo ajudou com o processo de escalar o elenco (Emilie de Ravin), e tentou com que fosse comercializado com algo além de um romance adolescente, mudar um trailer que não representou isso muito bem. Como ele disse a George Pennacchio (On the Red Carpet), “Eu não queria ficar comprometido de forma alguma... então eu disse que tudo o que eu pudesse fazer, eu queria fazer minha parte para protegê-lo.” Talvez o trabalho dele aqui tenha sido mínimo, mas que ele teve um isso teve. E, da sua maneira normal de auto-depreciação, Pattinson disse que ele queria que colocassem o crédito “em uma letra bem pequena”.

É claro que esse homens - Osborne, Coulter, Fetters and Pattinson - tiveram uma visão, comprometeram-se a esse projeto com paixão, e colaborariam de maneiras incomuns para que o resultado fosse verdadeiro à história. Isso é algo a se admirar em todos eles, e esse filme lindo e profundo é o resultado. (Tenho em mente que Meredith Milton e Eric Feig necessitam ser mencionados já que eles fizeram com que a Summit desse os 16 milhões de dólares para o custo da produção.)

As experiências dos colegas de Pattinson em Remember Me
Em entrevistas o restante do elenco não tinha nada além de boas coisas a dizer sobre Pattinson. Todos eles têm muito respeito por ele. E eles deveriam conhecer, não?

Ellington disse ao Nicola McCafferty (OK.co.uk) que Pattinson foi “tão legal quanto podia” e “sempre completamente humilde”. De Ravin comenta sobre ele trazer “detalhes complexos ao personagem,” e que ambos “partilhavam a mesma paixão e necessidade de fazer tudo o que pudéssemos para fazer esse filme funcionar.” Cooper afirmou que “Robert pode transmitir essa sensabilidade.” Brosnan sentiu-se como um pai para ele. Ele mencionou o trabalho de Pattinson como produtor em várias entrevistas, obviamente impressionado por ele estar “usando esse poder, fama e fortuna para boas intenções... para encontrar um bom material... e ter uma carreira que durará bastante.” Eles disseram muito mais, mas isto basta por enquanto.

Nós já ouvimos de Coulter e Fetters, mas para adicionar a isso, Coulter disse a Manny the Movie Guy que “nós não sabíamos que ele seria tão bom quanto era. Sabe, eu pensei que poderia tirar um bom desempenho desse jovem, mas ele foi extraordinário.” Você pode escolher acreditar que isso faz tudo parte da crítica oficial, designada a criar uma bolha positiva ao redor do filme. Talvez. Você deve decidir. Eu escolhi acreditar neles.

Os amigos de longa data de Pattinson e a família o apóiam e protegem a privacidade dele o tanto que podem. Eles não contam contos da escola. Essa consideração e respeito são significantes.

Tyler
Tyler estava passando pela mesma fase de transição que Robert estava, do final da adolescência à masculinidade (ele diz que escolhe papéis que cobrem as mesmas coisas pelas quais ele está passando nesse ponto da vida dele). Ainda sim Tyler também foi um cara complexo, em conflitos, nem um pouco como o personagem estereotipado presente na maioria dos roteiros. Portanto, Tyler era interessante. Pattinson sabia exatamente como Tyler falava. “Eu tive uma voz imediatamente,” ele disse, e ele pensou que poderia acrescentar algo a isso.


Pattinson viu Tyler como “não vivendo de verdade no começo”, mas “pelo final ele aceitar o que quer que vem”. Em um especial no DVD, ele diz que Tyler “é um cara que está um pouco perdido” e que Ally “mostra a ele como viver e como amadurecer”. Ele também fala sobre a confrontação de Tyler com o seu pai na sala de reuniões. É engraçada a maneira como ele vê o seu personagem. Para Pattinson, a cena da sala de reuniões ilustra “rancores e queixas que ele manteve por anos e elas estão apenas velhas,” e “ele está doente pelas mesmas raivas.” Talvez porque nós, o publico, testemunhamos apenas um confronto assim, tem um significado diferente para mim. Eu pensei que foi essencial e na verdade afetou muito Charles.

De qualquer maneira, Pattinson apresentou um personagem com dimensões misteriosas e uma benevolência enorme, e ele o fez tão bem que o público chegou a amar o Tyler que ele nos mostrou. Pattinson fala sobre isso como sendo pelo elenco todo; bom, talvez todos os outros atores, sim. Mas é a história de Tyler; ele é o meio, o centro, e nos deve convencer e nos ganhar. Este é um grande papel para o ator; de verdade, ele carrega a história nos ombros. Se nós não nos importássemos com Tyler naquele final enfático, então qual teria sido o objetivo? Mas Pattinson faz um trabalho tão bom que nós temos o fenômenos de homens, adolescentes meninos, assim como mulheres de todas as idades, chorando por Tyler. Oh, ele não fez isso sozinho. Para o elenco todo foi maravilhoso; todos trouxeram uma humanidade e veracidade aos seus personagens. Mas a conquista dele não deve ser subestimada.


A Atuação
Da sua explosão na sala de reuniões e na luta da rua, para momentos mais doces quando ele divide com sua irmãzinha, Tyler é um personagem multi-dimensional, complicado e simpático. Mas o que quer que seja que ele faça, ele está remoendo seu irmão e usando seu diário para funcionar através dessa dor. Todas as suas ações são preditadas nesse fato primordial. Apesar de seu comportamento vago, ele não cria muito. Ele está com dor e nós vemos isso. Suas vulnerabilidades são tão evidentes que é quase doloroso de assistir - como na cena que ele mostra a tatuagem para Ally - mas então vemos sua bravura emocional também. E não é antes de começarmos a torcer por ele. Na hora em que ele para na torre, começamos a sofrer também.

Eu poderia ir adiante com qualquer outra cena para descrever o excelente trabalho que Pattinson fez trazendo esse personagem para a tela. Coloque-se aqui a linguagem corporal, as expressões faciais, as reações aos outros personagens. Mas eu senti a necessidade de resolver questões periféricas, como os fãs, paparazzis, mal-entendidos em primeiro lugar, então eu vou salvar a sua performance para a "Parte Dois".

Os críticos foram desiguais em suas opiniões sobre o desempenho de Pattinson e muitos citaram Jimmy Dean. Em primeiro lugar, todos os artistas aprendem com os seus antecessores. Segundo, se Dean está aí para ser referenciado seria para mostrar que, neste caso Pattinson foi melhor.


A maioria dos críticos que foram positivos parecia aliviada ao dizer que Pattinson consegue atuar sim, claramente pela crítica pelos seus papéis anteriores, e, especialmente Edward, que não conta. Isso é muito discutível, dado que tantos críticos não têm idéia do que o personagem de Edward Cullen implica.

Kevin McCarthy, cuja revisão de todo o filme é excelente, acha que Pattinson "nos proporciona uma atuação muito forte"[http://www.bdkreviews.com/review.php?movie=rememberme]. E Jackie Cooper: "A parte mais importante e fascinante do filme é que você acredita nesses personagens... Não há nenhum falso entre eles... Pattinson está totalmente impressionante como Tyler."[http://www.jackiekcooper.com/MovieReviews/MovieArchive/RememberMe.htm]. Dustin Putman: "...Pattinson, está em pleno comando de seu papel protagonista e não decepciona." Uh huh.

Palavras Finais...
Que Pattinson tenha tido um desempenho brilhante, nas condições de trabalho que descrevi antes, é incrível. Que ele fez isso com tanta graça, é impressionante. Tendo em conta tudo o que Robert Pattinson nos tem mostrado de si mesmo, ele é um homem decente.

Eu conheço paparazzis e fãs que acamparam nas filmagens Water for Elephants, mas por causa das distâncias não puderam violar a sua privacidade e o trabalho de equipe, como aconteceu no verão de 2009, parecido com Remember Me. E, recentemente, mais uma vez, os paparazzis estão fazendo de sua vida um inferno privado, ele não pode nem sequer caminhar pela rua sem sofrer violação de privacidade. É pedir demais tratá-lo com decência? Estes homens apenas "denigrem a condição humana".

Ah cara, isso soa tão antiquado, mas se todos apenas tratarmos ele como ele mesmo gostaria de ser tratado, talvez ele pudesse respirar. E não teria que abaixar a cabeça, sempre procurando por privacidade. Se Tyler Hawkins foi o único personagem que Pattinson trouxe para a vida, se seus créditos parassem agora, ele teria alcançado esse objetivo de elevar a condição humana. Tal era o poder do seu retrato, do papel, do filme.

Tradução: Luma Bloris, Iana Louise e Sheila Andrade 

Powered by CuteNews