Nova entrevista de Rob feita em Cannes pela Toronto Star

Traduzido/Publicado por Ana Paula em 09 Nov 2009


Pattinson, diante dele em uma mesa de vidro em forma de uma deusa grega, não como um vampiro típico: uma tigela de batatas fritas, pacotes de goma de maçã verde  e uma caixa de chocolates "See's" importados dos Estados Unidos.

O mais sexy morto vivo evita todas as tentações calóricas, desculpando- se quando ele vai para outra sala para algumas tragadas em um cigarro Camel, antes de iniciar esta entrevista.

"Me desculpe," ele diz pausando só para balançar as mãos. "Vou voltar logo."

Pattinson volta alguns minutos depois, com um sorriso brilhante e dentes brancos. Apesar dos 28ºC em Cannes no dia do festival, ele está usando duas camisas e uma calça jeans.

O garoto de Londres com mousse no cabelo, como sempre, parece que foi denominado pelos dedos de fãs dos livros e filmes de Crepúsculo que fizeram dele uma sensação. "É loucura," Pattinson de 23 anos diz sobre a mania mundial. "Estava almoçando outro dia na rua e se você fica mais de uma hora em algum lugar o mundo enlouquece. Tinham umas 500 ou 600 pessoas do lado de fora esperando por mim."

Ele está animado e envolvente enquanto fala, muito ao contrário do vampiro pálido e taciturno,  Edward Cullen, que ele interpreta em Crepúsculo, 2008, e a sequência, Lua Nova, que chega aos cinemas dia 20 de novembro.

O que significa que ele tinha de atuar no papel, é claro, e em caso de Pattinson ele usou uma abordagem, tentando mudar a maneira como um vampiro faz. A façanha foi complicada por causa do desejo da diretora Catherine Hardwicke, dos produtores do filme e da romancista Stephenie Meyer.

Pattinson não queria agir como qualquer sanguessuga que morde. "Eles estavam tentado reinventar um gênero de filme sobre vampiros, então eu estava tentando não interpretar um," Pattinson diz, mechendo em seu cabelo. "Eu olhei para um monte de movimentos nos filmes de samurai, pela imobilidade. Nenhum foi particularmente utilizado.

É só espécie de feltro Zen." Ele finalmente determina que a chave para entender Edward é a solidão. "Passei muito tempo sozinho. Tentei não falar com muitas pessoas. Meu primeira instinto foi não falar com ninguém, então minha primeira cena seria depois de não falar com ninguém por um mês, então seria um diálogo estranho. Mas é muito difícil fazer isso!" Ele ri. Ele ainda vive as expectativas que os fãs de Crepúsculo esperam dele e da companheira Kristen Stewart, que faz Bella, e todo o amor pelos mortos vivos e por Edward.

Até agora, os fãs aprovaram os atores com intusiasmo, a ponto de fantasia-los como um casal na vida real, algo que tanto Pattinson quanto Stewart negam, ainda que não muito convincente, com o "nós somos apenas amigos". (As chamas do Pattinson e amor suposto com Stewart foram o foco de todo este verão nos tablóide, enquanto a dupla estava em Vancouver filmando Eclipse, o terceiro filme da série Crepúsculo, a ser lançado em 2010.

As revistas falaram que eles eram um casal e até mesmo que estavam esperando um bebê, embora Pattinson derruba os rumores em uma reportagem de capa na edição de dezembro da revista Vanity Fair, que acaba de ser lançada.)

Lua Nova pode lançar as pessoas para um loop, especialmente os que não leram o livro. A problemas no paraíso nesse, com afagos de Bella e um Edward não tão invencível. O filme também trabalha com o fato de Edward estar mais na mente de Bella do que nos olhos. Pattinson, por sua parte, está totalmente confiante de que Lua Nova será um sucesso.

"Não sei porque está todo mundo preocupada em as pessoas vão ver o filme, elas vão ver o filme. Está bem perto do livro, tirando que no livro Edward está só como um voz para Bella e no filme está com presença. Acho que seria muito difícil para Kristen interpretar se fosse apenas uma voz." "Minha presença é fraca. Sou uma alucinação." Há, no entanto, uma cena de luta criada para o filme na qual Pattinson não é nem um pouco fantasmagórico.

Nós não estamos falando de uma amante cuspiu aqui. É uma batalha até o fim com uma ameaça externa. "A cena de luta foi na verdade engraçada. É a única cena de luta em que eu já fiz que pareço tranquilo em estar lutando! Estou feliz com isso."

Crepúsculo é carregado com as expectativas dos pais e de outras autoridades morais, que elogiaram a série pela promoção de castidade. Pattinson ri disso, porque ele acha que a história é realmente muito sexy - embora seja muito mais da mente que do corpo, desde queEdward tenha seus dentes pontudos e outras extremidades) para proteger sua amada Bella.

As pessoas estão escolhendo ler a série, e isso é muito bom para Pattinson, embora ele pessoalmente verifique uma tensão sexual muito erótica - como a maioria dos fãs.

"Eu penso que é hilariante que todos, especialmente os pais, estão dizendo que é sobre a abstinência e eles estão realmente satisfeitos que seus filhos estão lendo. E ainda assim muitos que estão lendo os livros estão pensando, 'Eu quero que eles façam sexo! Eu quero que eles me façam querer sexo!" O senso de humor de Pattinson ficou em boa posição sobre o seu turbilhão de um ano. Até 2008, ele era mais conhecido como Cedrico Diggory, um personagem menor em dois filmes de Harry Potter. Cedrico é um atleta quente na escola de Hogwarts, que naturalmente tem todas as meninas e atormenta Harry, mas ele não é de todo ruim.

Foi durante a reprodução de Cedrico que Pattinson teve seu primeiro gosto da fama. Foi durante um dia de filmagem de Harry Potter e o Cálice de Fogo na Universidade de Oxford, quando um grupo de garotas adolescentes da França apareceu, elas estavam em uma excursão escolar.

"Acabamos saindo de nossos carros, exatamente no mesmo momento que estavamos rodeados por esta multidão. E ninguém nem sabia quem eu era naquele momento. Quando eu disse Cedrico, foi como, "Ai meu Deus! Cedrico!" Tanto faz." Pattinson estava alarmado com toda a atenção - ele se considera tímido - mas ele é inteligente o suficiente para saber que não vai durar para sempre, e que não se estende além de sua ligação com Crepúsculo e Edward Cullen.

Seus outros dois filmes do ano passado, Little Ashes e How to Be, não conseguiram fazer um impacto nas bilheterias, apesar de demonstrar a sua gama impressionante como ator. No drama "Little Ashes", ele interpreta o surrealista espanhol Salvador Dali, até com o bigode sinuoso e encontros homoeróticos. Na comédia How to Be, ele é um cantor britânico deprimido (Pattinson é músico, também) que contrata um guru canadense para colocar sua vida em ordem novamente.

Pattinson tem feito filmes só desde 2004, quando ele tinha um pequeno papel em Vanity Fair, de Mira Nair, por isso tudo sobre ser uma estrela de cinema ainda está fresca e não tão terrível, considerando todas as coisas. "É apenas uma coisa de fama", ele comenta. "É apenas algo que você tem que aprender a lidar. É estranho. É definitivamente muito novo, eu realmente não sei como vou reagir a ela a longo prazo."

"Eu estava lutando contra ela por um bom tempo, e só recentemente me dei conta de que não há nada que você pode fazer, você não pode simplesmente virar as costas. Agora eu posso muito bem ir a qualquer lugar no mundo e em poucos minutos estar em um restaurante, milhares de pessoas vêm até você. Assim, você pode muito bem aprender a aceitar." Falou como um verdadeiro vampiro zen.

Tradução: Desirée

Powered by CuteNews