Revisões sobre Cosmopolis

Traduzido/Publicado por Beta Neves em 26 May 2012


The Playlist

É correto dizer que Pattinson, o It Boy de hoje em dia, interpreta Packer, considerando quem seja o Packer de Cronenberg. Como a estreia formal do prodígio, o Packer de 28 anos é comicamente obcecado por mortes. "Morremos todo dia," ele exclama de forma superior para um membro de sua grande comitiva de conselheiros. Packer ganha consultas diárias de seus médicos porque ele gosta dessa rotina mas também porque ele está procurando algo para confirmar suas suspeitas. Ele está convencido de que ele encontra essa coisa quando lhe contam que sua próstata é assimétrica. É muito engraçado ver Pattinson, sendo o tábula redonda lindo e jovem, interpretando Packer, um malandro que costumava a ser importante mas que agora não é capaz de dormir porque ele teme que não seja mais relevante.

(...)

Ao mesmo tempo, Cronenberg não diminui a história de DeLillo simultaneamente que é uma narrativa muito esparramada e densa enquanto ele esculpe seus próprios floreios no filme. Algumas cenas, incluindo o interesse de Packer em dar um lance em uma capela cheia de arte, e sua visita a um clube noturno cheio de festeiros entupidos de drogas, são somente necessárias para estabelecer um passo uniforme à narrativca de Cronenberg. Mas nesse sentido, estas cenas são tão essenciais quanto aquelas nas quais Kinski e Torval dão conselhos a Packer. Tudo importa em "Cosmopolis" de Cronenberg, mas nem tudo é necessariamente igual ao livro de DeLillo. E isso faz o filme, como uma série de discussões sobre as contradições entre a inter-relação entre mente e dinheiro, insanamente rico e enlouquecedoramente complexo. Mal podemos esperar para vê-lo novamente. (A)


Empire Online

A natureza estilizada da linguagem limitará o apelo deste filme, e sua loucura consciente poderá também estar testando alguns (por que o barbeiro profissional Eric finalmente visita e corta grandes pedaços de seu cabelo?). E após Água para Elefantes, continuamos vendo se a platéia de Pattinson realmente o seguirá em qualquer lugar. Mas Cosmopolis prova que ele tem costeletas, e ele aposta seu lado culto lindamente no mimado e exigente Packer, um homem tão controlador e implacável que somente ele tem o poder de se destruir. Magro e agudo - com sua camisa branca ele se assemelha a um Sid Vicious arrumado - Pattinson dá conta da parte difícil quase perfeitamente, citando aquelas ótimas palavras do conselho de West Side Story: Você quer viver neste louco mundo? Finja que está tudo certo.


Little White Lies

Como em A Rede Social, este filme combina uma representação confiável de uma pessoa cuja idade e intelecto estão perigosamente fora de ordem, enquanto envia seu "herói" a odisseia de um pesadelo anti-capitalista que descarrega todo o cinismo seco e uma condenação anunciada negligente de Godard’s Week End.

Ordenadamente abreviado por Cronenberg em pessoa, do romance de 2003 do escritor pós-moderno, Don DeLillo, seu cenário traz muitos diálogos da fonte enquanto expurga os flashbacks, sonhos e monólogos internos. Robert Pattinson está magnético como Eric Packer, o escorregadio e exausto CEO de 26 anos da Packer Capital que decide ter uma frota de Limousines ao longo da cidade de Nova York a procura de um corte de cabelo. Esta é o seu melhor desempenho até agora com uma margem considerável. Sim, até melhor do que Lembranças.


MSN

O diálogo é rápido, tanto que deixa marcas de bala. E enquanto Eric atravessa a cidade em seu carro ridículo -- com o mundo vindo até ele na forma de encontros de negócios, relações sexuais e até mesmo consultas médicas na parte de trás da limusine - percebemos que Eric é o epítome do capitalismo moderno. Os titãs que fazem o nosso mundo são pessoas pequenas, quebradas.E, curiosamente, se você está lançando um tubarão aparentemente morto envolta em privilégio imerecido, Pattinson acaba por ser uma escolha muito boa.


Time Out London

Dito isto, há um ar consistente, ameaça de fim-de-dia que atravessa o filme, que Cronenberg lida com uma sensação contínua de precisão e confiança. Ele está bem servido, também, por um solto, desintegrante Pattinson, dando um retrato de um comandante simpático, de um homem que está sendo consumido por sua própria vaidade e poder.

Screendaily

A estrela bancada por Crepúsculo Robert Pattinson está bem no papel principal: se seu Eric Packer é um pouco frio, de toque robótico, então é uma abordagem assumidamente estilizada de Cronenberg para a história, o que nunca ia ser um papel chamado para grandes emoções. Mas é difícil ver o apelo da juventude de Pattinson desviando este produto da casa do público em relação ao mercado adolescente - é muito lento e muito tagarela.


Twitch

Dê crédito a David Cronenberg por uma coisa: Sua escolha ao escalar Robert Pattinson foi uma decisão inspirada e brilhante. Enquanto Cosmopolis é um pouco único para permitir quaiquer proclamações sobre a série de Pattinson, seu rosto opaco, lindo e algumas vezes robótico, cumprimentando o time de Cronenberg e seu estilo perfeitamente. Em termos de que o diretor parece estar apontando para cá, seu desempenho frio é quase perfeito.


Lovefilme (Mesma crítica do Digital Spy)

Certifique-se de dividir os críticos aqui em Cannes, é ver Robert Pattinson assumir o papel mais ousado de sua carreira como um multi-bilionário aborrecido andando de limusine em Manhattan para cortar o cabelo. Confinado a maior parte dentro da limusine à prova de som, Cosmopolis parece mais como um teatro caixa-preta do que cinema com uma série de personagens densos, monólogos difíceis que parecem significar tudo e nada.

Foi uma escolha esperta escalar Pattinson, cujo vazio parece canalizado para o sarcasmo niilista como seus parafusos Juliette Binoche, escuta o tempo de conversação e dinheiro de Samantha Morton e leva uma torta no rosto de Mathieu Amalric. Mas a arte de Cronenberg encena a sátira de um moderno mundo capitalisto auto-destrutivo nunca sai da segunda marcha.


Hitfix

Este é o material mais rico, inteligente, mais estimulante de Cronenberg teve de trabalhar em uma década - não é por nada que é o seu primeiro roteiro desde "existenZ" - mas levará uma análise ampla e consideração por este escritor para decidir se o filme terminado, rapidamente passeado e assumidamente falado como é, faz muito bem a oportunidade. Tal como está, o permanentemente na mensagem-de postular "Cosmopolis" prova um pouco cansativo, embora talvez ainda mais para clientes cansados ​​em seu décimo dia de exibição do festival. A agudeza de Cronenberg para empinar o maior número de palavras de DeLillo em um roteiro que equivale a pouco mais de uma seqüência de conversação de duas pessoas ornamentadas ameaçando a inércia, mas o filme em geral, evita monotonia.

O que é mais surpreendente são as cenas com a limusine de Packer (uma notável cena de sexo febril entre Pattinson e a luminosa Juliette Binoche), que são mais tocáveis e inflamáveis. Quando os empreendimentos do filme saem pela rua, a energia - ou, se não é energia, o equivalente a o efetivamente escorrego inerente à presença atraente na tela de Pattinson - se dissipa. A lealdade de muito tempo a câmera de Peter Suchitzky de Cronenberg certamente, melhor responde a claustrofobia, invasivo demais de closes e ângulos simplesmente muito grandes que emprestam todo o filme a sensação de uma fita de vigilância de segurança do purgatório, as questões feitas não menos desconcertantes pelos silenciosos bocejos comprimidos do design de som e as insinuações que pairam da pontuação de reposição do eletro-influenciador de Howard Shore, os quais lembram obras pequenas, mais nojentas do diretor namorando todo o caminho de volta para o "Stereo". Mesmo quando não conseguimos decifrar a mensagem, há uma dica da didática sobre "Cosmopolis", que fala para o seu lugar final no cânon do diretor; seu ambiente vaziamente caótico, no entanto, é uma criação Cronenbergia clássica, tão revigorantemente e estranhamente tranquilizadora quanto pode ser.


Variety

Um acerto adiantado e preciso do diretor e seu material, "Comopolis" prova a falta de alma de 1% com o cinematográfico equivalente a uma luva de látex. Aplicando sua inteligência fria ao presciente romance de 2003 de DeLillo, David Cronenberg torna o dia de um jovem titã andando pelas ruas de limusine em uma alegoria corresiva legal para uma era de dependência tecnológica, falha financeira e penetrante paranoia, embora o díalogo pesado no qual ele engaja estes conceitos permanece distante e algo como impenetrável pelo design. Enquanto a procura comercial será limitada ao fim mais aventureiro do mercado de especialidades, um excelente desempenho de Robert Pattinson se torna um bem indispensável.

(...)

Acusações de que este estudo no vazio e alienação é ao mesmo tempo preciso e um pouco além do ponto, e talvez a mais clara confirmação de que Cronenberg fez justiça a seu tema. Ao apresentar uma visão tão de perto do santuário de Eric, o filme convida o desprezo e o fascínio do espectador ao mesmo tempo, para o efeito, o cineasta tem um colaborador ideal para Pattinson, cujas caracterísiticas inexperientes e ainda carismáticas assumem uma qualidade de réptil sedutor aqui. É o desempenho mais forte do ator e, certamente, sua tela mais importante.

Indiewire

Uma natureza experimental significa que "Cosmopolis" se limita severamente ao potencial da mensagem -- que é, você aceitar também a aproximação negativa de Cronenberg ou rejeitá-la totalmente com base na aproximação acadêmica persistente do filme. Se visto mais com um visual mais de ensaio do que de filme, de qualquer jeito, "Cosmopolis" é um assalto bem sucedido as construções da sociedade moderna. A imagem final reflete o visual concluído de "eXistenZ", o pré-Matrix de Cronenberg aborda a realidade, e "Cosmopolis" certamente compartilha seu ceticismo através de suposições sobre o modo como o mundo funciona. Com um provocante final, "Cosmopolis" demonstra que mesmo um regresso às raízes falho de Cronenberg prova que eles correm profundamente.


Filmoria (5 estrelas)

Mas a direção forte e verdadeira do filme (desculpe o trocadilho) é o desempenho destemido, audacioso e crepitante de Pattinson. Ambas as estrelas de Crepúsculo possuem agora filmes aqui em Cannes e ambos Kristen Stewart e Pattinson têm dado alguns dos papéis mais fortes do festival. Packer é um personagem de mútiplas facetas, cínico, e muito cativante; ele é uma corajosa pincelada de nossa sociedade moderna, uma erupção cutânea, comichão que exige atendendimento. O mundo no qual Packer reside é de riqueza e luxo nojentos e ainda uma dúvida, paranoia paralisante e auto-aversão. O desempenho sombriamente cômico e perturbadoramente real de Pattinson aqui encarna tudo que Cosmopolis deseja expressar, ele sussurra e vigia, mas suas maneiras e aura deixam um eco ensurdecedor suspenso na contaminada, distópica atmosfera.

O último filme de Cronenberg não será para todos - é um drama colante, cascudo e repressivamente negro que é desobrigado e incomum - estou certo que alguns 'twihards' apenas entrarão no momento da estreia simplesmente por R-Patz e deixarão o cinema se sentido entediados, machucados ou confusos, mas para quem gosta de desafios, fotos alternativas e intransigentes, Cosmopolis é a sua escolha para beber.

Telegraph UK

Cosmopolis capta e funciona com todos os três temas centrais que surgiram nos últimos 11 dias do Festival: a nossa resposta ao caos, o colapso da era do excesso e do terror, e comédia, e da morte. Poderia quase ser bizarro para a Holy Motors de Leos Carax, outro filme em que um passeio de limusine torna-se uma odisséia. No seu coração está o desempenho sensacional e central de Robert Pattinson - sim, aquele Robert Pattinson - como Packer. Pattinson o interpreta como uma caldeira humana; pedra na superfície, com câmaras vulcânicas de energia nervosa e auto-aversão profunda sendo produzida por baixo. 

 

Fonte: Robpattinson.Blogspot

Tradução: Sheila Andrade e Roberta Neves


Powered by CuteNews