Entrevista de Cronenberg ao Rotten Tomatoes

Traduzido/Publicado por Marina em 18 Aug 2012


Ele foi difícil de conseguir? Quero dizer, ele é claramente para ele, com base em seu desempenho, mas como você fez pra conseguir Robert Pattinson?
Cronenberg:
Basicamente, eu escrevi o roteiro antes de eu entrar em produção de Um Método Perigoso, então Rob pegou o roteiro um ano antes de começar as filmagens. Ele é um cara muito pé no chão, e ele estava surpreso que o quisesse. [Risos] Parece estranho, eu sei. É claro, ele sabe que seu nome agrega valor por causa de seu poder de estrela, mas ele conhecia os meus filmes, e ele sabia que eu era um diretor sério, e eu acho que ele estava nervoso, você sabe - Eu acho que ele estava com medo, porque ele sabia que era bom. Ele imediatamente amou o roteiro, especialmente porque ele pensou que era muito engraçado - que o filme é engraçado, muitas pessoas, talvez não vejam da primeira vez – e o roteiro era engraçado também. Mas também tinha visto o suficiente do material agora convencional, ele se ofereceu para ver o quão diferente ele era e como ele se destacou - e a qualidade da escrita de Don, porque o diálogo é realmente 100 por cento do livro.

Então, eu realmente tive que convencê-lo de que eu sabia que ele era o cara certo e que ele poderia fazê-lo. E você ficaria muito surpreso que um monte de atores, e os muito experientes, também - não apenas os jovens - temem pois não querem destruir o seu filme. Eles não querem ser a coisa ruim em seu filme que o derruba. Eles precisam ser convencidos de que é bom o suficiente, especialmente se eles sabem que é bom. Ele disse - e eu sei disso por causa das entrevistas que fizemos juntos, e eu o ouvi dizer essas coisas - que, geralmente, o diálogo é tão ruim que você, o ator, percebe que você é responsável por tentar fazer interessante, apenas pelo modo como você o roda. Mas neste caso, o diálogo foi grande, e a preocupação se inverteu completamente: "Eu sou bom o suficiente para tirar o melhor proveito dele" Então, isso me levou cerca de 10 dias, e Rob disse que estava com medo de me ligar de volta, porque ele costuma falar besteira para os diretores, como todos os atores fazem - mas porque eu tinha escrito o roteiro ele não poderia fazer isso comigo. [Risos] Você sabe, os atores podem realmente nos enrolar, quando na verdade ele apenas deveria ter dito: "Sim, eu vou fazer isso."

Houve um ponto durante a filmagem, onde ele percebeu, "Ei, eu sou bom o suficiente para isso", ou você teve que incentivá-lo constantemente?
Cronenberg: Não, não é como se ele fosse tão inseguro ou qualquer coisa assim. Eu nunca vi nada disso no set. Eu sei que ele ficava constantemente verificando e perguntando se estava bom, mas eu não sentia que ele precisava de uma quantidade excessiva de incentivo, realmente. Nós apenas fizemos. Ele poderia dizer. A melhor maneira para um ator dizer, em última análise, é que não demorou muito para que nós estivéssemos fazendo apenas um ou dois takes de tudo - e isso significa que o ator sabe que está funcionando.

Bem, parece que você começou alguma tendência agora David, porque Werner Herzog acaba de lançá-lo em seu próximo filme.
Cronenberg: Bem isso me agrada infinitamente, e eu acho que, obviamente, isso é o que Rob necessita. Eles só precisam ver que ele é muito, muito bom e muito, muito sutil, e que ele pode fazer um monte de coisas diferentes. Depois de romper essa barreira, então eu acho que não haverá mais volta.

(...)

Ele só parece se conectar com as pessoas em um nível muito primitivo, e muitas vezes violento - seja sexo, assassinato... ou fazer um corte de cabelo. Essa parece ser a única maneira em que pode cortar todas as outras coisas. É devolvendo, seu desejo de auto-destruição?
Cronenberg: Sim, bem, eu acho sim, durante o curso deste dia... e ele diz, no final, para o personagem Paul Giamatti [Benno Levin], "Eu acho que a minha vida mudou durante o curso do dia de hoje" - e ele realmente mudou. Ele vai cortar o cabelo, mas ele realmente está indo também cortar o cabelo no barbeiro que foi o primeiro a cortar o seu cabelo quando ele era um garotinho, e costumava cortar o cabelo de seu pai, e eu acho que a sugestão é que ele está tentando desconstruir sua vida atual para que ele possa voltar a suas origens e, talvez, remontá-lo de uma maneira diferente. Mas isso não funciona muito bem. Não há gel o bastante. Eu acho que quando ele está sentado na cadeira do barbeiro, certamente no início, ele é como uma criança. Essa é a coisa linda sobre o desempenho de Rob, você realmente vê a vulnerabilidade; embaixo de tudo há essa doçura infantil lá por um momento ou dois. É um desempenho muito bonito em camadas. Mas isso não está funcionando – e o Eric Packer normal, assume. Ele tem que fazer coisas extremas para ser capaz de sentir qualquer coisa, ser capaz de sentir a emoção e para se sentir vivo. Então é isso que o leva para a cena final com Paul Giamatti.

Há realmente uma mágica no filme - talvez o meu momento favorito no seu desempenho, também - quando ele está tropeçando no beco com a arma, e ele está olhando para Paul Giamatti, e há esse olhar especial que vem em seu rosto em que um momento, você pode ver a sua perturbação. Foi realmente maravilhosamente interpretado.
Cronenberg:
Sim, foi lindo. Foi a única tomada que Rob fez exatamente isso, e eu pensei: Bem, esse é o take. Foi inesperado. Quer dizer, Rob estava constantemente me surpreendendo, eu tenho que dizer-lhe, com coisas como essa. Amavelmente, coisas lindas que eram espontâneos, mas mortas.

Fonte Rotten Tomatoes


Powered by CuteNews